Linguagem Plástica

A linguagem plástica do pintor dispensaria assinatura

Sou curiosa e criteriosa por natureza.

Assim sendo, procurei investigar o que as pessoas buscaram para chegar ao meu Blog. Curiosamente, um número altíssimo de visitantes chegou através da busca no Google por "LINGUAGEM PLÁSTICA". Resolvi investigar... Conclusão: tarefa árdua...
Lembrei do meu tempo de escola. Formulávamos um conceito e estava tudo revolvido, bons tempos.
Linguagem plástica faz parte do cotidiano verbal do artista de forma tão usual como se todo mundo tivesse entendendo, daí a surpresa.
Que me desculpem os entendidos no assunto, aliás, a pauta está aberta e comentários serão muito bem vindos, pois o tema é de amplo interesse.
É um assunto complexo, que vai além de simples conceitos e exige pensamentos filosóficos, questões semânticas, abrangências outras para além das puramente plásticas.
Vamos começar com um conceito básico de dicionário como fazíamos no ensino básico:

Linguagem: Meio sistemático de comunicar idéias ou sentimentos através de signos convencionais, sonoros, gráficos, gestuais, etc.
Qualquer sistema de símbolos ou objetos instituídos como signos: Código

A linguagem plástica quebra o padrão estabelecido ou instituído como signos normativos ou códigos estabelecidos e cria novos. Assim, cada artista no uso de sua liberdade criadora, estabelece para si, seus novos signos e formas.
Por exemplo: O famoso cachimbo de Magritte. Onde existe uma contradição palavra – imagem. Um Cachimbo com a frase logo abaixo "Isto não é um cachimbo".
 

Dica de Leitura: Isto não é um cachimbo de Michel Foucault



Linguagem plástica é a arte de plasmar, modelar, alterar as formas, criar.
Esta abordagem múltipla - poética, lingüística, filosófica, plástica – supõe em considerar que a palavra e a imagem têm a mesma origem, as mesmas funções, estando unidas por diversas afinidades que as tornam cúmplices ao buscar, juntas, o efeito poético. Em síntese, é o ato de fazer - pintar - com propriedade.
Para Magritte, a distinção entre o poeta e o pintor parece não mais existir: “o poeta, que escreve, pensa com palavras familiares, e o poeta, que pinta, pensa com figuras familiares do visível. A escrita é uma descrição invisível do pensamento e a pintura é sua descrição visível” (1979, p.686).


Fonte: MAGRITTE, René. Écrits complets. Paris: Flammarion, 1979.

15 comentários:

  1. Wonderful creations, especially the "sunflower" !

    ResponderExcluir
  2. todas as tarefas sao árduas no que toca a investigação
    kis .=)

    ResponderExcluir
  3. Até onde a inspiração e criatividade são prejudicadas pela técnica? Imagine se um incauto tivesse privado Van Gogh de seus traços por serem novos, diferentes? O modo de olhar e deixar ver imagino que seja uma tarefa árdua, mas extremamente compensatória quando bem sucedida. Interpretar uma obra de arte é tão perigoso como fazer o mesmo com um poema, concorda?
    Beijos e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  4. muito ms muito obrigado por seguir ^^

    ResponderExcluir
  5. É difícil comentar...eu escrevo poesia, talvez se lembre de mim...não sou muito entendida, mas
    sou acarinhada.
    Talvez gostasse de encontrar alguém que aprofundasse tantos temas que parecem fáceis e não são...eu sei que não são.
    Cheio de interesse o que pretende!
    Mas eu não uso técnica ou uso a técnica das palavras e jogo com elas. Jogo, jogos difíceis e
    misteriosos, mas a técnica, se esbarra um pouco comigo - pois é uma técnica de palavras que contam as histórias do mundo, as minhas verdades
    que parecem simples, mas não são e no fundo de mim mesma, sei que nunca vão atingir o que merecem.
    Será que me enalteço a mim própria
    Será que não sou quem penso ser
    mas alguma coisa sou...isso eu sei e tenho a certeza "Sou Gente"...

    Me encantei com sua técnica, com seus propósitos
    e seus entendimentos. Me encantei...mas se há técnicas diferentes e há...eu tenho essa técnica comigo...dentro e fora de mim...

    Felicidades,

    Maria Luísa Adães

    ResponderExcluir
  6. Li seu perfil e lamento, mas estou muito longe de mim e de si também...Sou portuguesa e sou
    Escritora!

    Maria luísa

    ResponderExcluir
  7. A ideia era uma visita rapida de cortesia, pois sei que também me visitas, porém sai navegando e fluindo entre os teus trabalhalhos e fui ficando, qunado me dei conta eu já havia lido todos os post´s. Posso considerar você uma pessoa intrigante pela escrita e adimirável pelo teu belíssimo trabalho. A vida se redescobre em si. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sérgio faço minha suas palavras senti o mesmo era uma simples pesquisa, um simples questionamento e me deliciei com a leitura aqui exposta.

      Excluir
    2. Agradeço o carinho e palavras aqui deixadas. São comentários como o de vocês que me motivam a criar as postagens. Espero que continuem me visitando.
      Abraços

      Excluir
  8. Love your creative and beautiful work.

    Thank you for giving me the opportunity to be around.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns, finalmente encontrei uma a ideia de linguagem plástica que procurava.

    ResponderExcluir
  10. Oi Lou!
    Eu vim pela mesma busca do google...
    "Linguagem Plástica"
    Gostei imensamente do que li, e da dica do livro.
    Vou ler.
    Vou incorporar seu texto a minha aula de Criação de Figurino de Carnaval, com link pra você.
    Grato
    Estou seguindo o Blog!

    Bill

    ResponderExcluir
  11. Apreciei o pensamento de Magritte, já que tanto o visível" como o "invisível" demonstram a sensibilidade e a beleza que ambos, poeta e pintor procuram transmitir com o seu trabalho...

    ResponderExcluir

Comentar